Buscando pistas de Jorge de Sena em São José do Rio Preto

Enquanto professor na cidade de Araraquara, Jorge de Sena colaborou com a jovem FAFI- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Preto, nos anos letivos de 1963 e 1964. Alguns dos espaços da cidade que Jorge de Sena palmilhou ainda existem e aqui os rastreamos. 

 

Estação ferroviária de São José do Rio Preto, utilizada por Jorge de Sena para embarque/desembarque quando se deslocava à cidade para ministrar suas aulas na FAFI. 

 

 Hotéis onde muito provavelmente Jorge de Sena se hospedava quando ia a São José do Rio Preto ministrar suas aulas

 

 Instalações da FAFI-Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Preto a partir de 1960 (hoje ocupadas pela Secretaria Municipal de Educação),
onde Jorge de Sena lecionou.

escola

 

 E será que Jorge de Sena conseguiu tempo para alguma compra no Mercado Municipal de São José do Rio Preto?

 

 Jorge de Sena não chegou a conhecer o IBILCE – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, da UNESP (prédio adquirido em 1970), mas nele a sua obra vem sendo estudada nas disciplinas de Literatura Portuguesa. 

predio_novo

Poema de Sena nas obras da Torre dos Clérigos

Tapumes à volta do trabalho de requalificação da Torre dos Clérigos —  inegável ex-libris da cidade do Porto — recordam o conhecido poema que Jorge de Sena, ao que tudo indica, lhe dedicou. Os responsáveis pela obra garantem que ela estará concluída no dia 12 de dezembro próximo — mesma data em que a obra setecentista de Nasoni foi aberta ao público. Agradecemos as fotos a nossa colaboradora Otília Lage. 

 

Metamorfose

Para a minha alma eu queria uma torre como esta,
assim alta,
assim de névoa acompanhando o rio.

Estou tão longe da margem que as pessoas passam
e as luzes se reflectem na água.

E, contudo, a margem não pertence ao rio
nem o rio está em mim como a torre estaria
se eu a soubesse ter…
uma luz desce o rio
gente passa e não sabe
que eu quero uma torre tão alta que as aves não passem
as nuvens não passem
tão alta tão alta
que a solidão possa tornar-se humana.

25/10/42

 sena9

sena7

sena6

sena5

sena4

sena3

sena2

sena1

sena10

sena8

Fernando Lemos e o túmulo de Jorge de Sena

Fernando Lemos faz questão de visitar o túmulo de seu amigo-de-toda-vida logo na primeira viagem a Lisboa após transladação dos restos mortais de Sena, de Santa Barbara para o Cemitério dos Prazeres. Na visita, dia 30 de novembro de 2009, é acompanhado pelo amigo Pedro Aguilar, que registra fotograficamente esse encontro, de clara emoção, e, muito gentilmente, nos disponibilizou as imagens.  

 

6a

16a

15a

2b

4b

7a

10a

Cabecinha de Milreu

 

Nas escavações da villa romana de Milreu, ou ruínas de Estói (distrito de Faro, Algarve), iniciadas já em fins do século XIX, dentre outras preciosidades, vieram à luz esculturas em mármore, com destaque para os bem conservados bustos imperiais, como os de Agripina e Adriano, hoje expostos no Museu Infante D. Henrique, de Faro. No entanto, a peça que mais chamou a atenção de Jorge de Sena, de apenas 29 cm. de altura, merecendo-lhe o poema de Metamorfoses, encontra-se hoje no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa (havendo uma réplica em Faro) assim descrita (em http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/?a=3&x=3&i=12):  "Cabeça-retrato de uma jovem mulher, bem modelada, de traços expressivos e grande naturalidade. Tem o nariz fragmentado e pequenas falhas na superfície do queixo e do pescoço. É um bom retrato, realista, de feições correctas, tecnicamente bem executado, boca ligeiramente torcida, de lábios salientes e nariz arrebitado, mostrando secura e decisão. Ostenta um característico penteado em "ninho de vespa", a testa curta quase desaparece sob o diadema formado por uma cadeia tripla de caracóis sobrepostos, que as damas romanas mandavam armar sobre uma rede de fio ou de metal, e na parte anterior da cabeça uma mecha de cabelo enrosca-se em largo carrapito sobre a nuca descobrindo as orelhas. A moda deste penteado foi criada por Júlia filha de Tito e esposa de Domiciano, no período flaviano, tratando-se talvez mesmo de um retrato da própria imperatriz. Esta escultura terá feito parte de um busto ou mesmo de uma estátua hoje desaparecida. Proveniente da villa romana de Milreu, este retrato espelha da melhor forma a riqueza, importância e a plena actualidade e inserção socio-política das elites municipais da Lusitânia meridional em finais do século I - inícios do século II d.C., adoptando posturas e modas estereotipadas de evidente prestígio pela sua conotação com a casa imperial".  Homenageando Jorge de Sena, a Junta da Freguesia de Estói inaugurou, em 25 de abril de 2010,  um painel de azulejos na Rua da Barroca com a reprodução do poema, tendo ao lado, em placa acrílica, a versão em língua inglesa, com a foto e dados biográficos do autor.
Nas escavações da villa romana de Milreu, ou ruínas de Estói (distrito de Faro, Algarve), iniciadas já em fins do século XIX, dentre outras preciosidades, vieram à luz esculturas em mármore, com destaque para os bem conservados bustos imperiais, como os de Agripina e Adriano, hoje expostos no Museu Infante D. Henrique, de Faro. No entanto, a peça que mais chamou a atenção de Jorge de Sena, de apenas 29 cm. de altura, merecendo-lhe o poema de Metamorfoses, encontra-se hoje no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa (havendo uma réplica em Faro) assim descrita (em http://www.mnarqueologia-ipmuseus.pt/?a=3&x=3&i=12): “Cabeça-retrato de uma jovem mulher, bem modelada, de traços expressivos e grande naturalidade. Tem o nariz fragmentado e pequenas falhas na superfície do queixo e do pescoço. É um bom retrato, realista, de feições correctas, tecnicamente bem executado, boca ligeiramente torcida, de lábios salientes e nariz arrebitado, mostrando secura e decisão. Ostenta um característico penteado em “ninho de vespa”, a testa curta quase desaparece sob o diadema formado por uma cadeia tripla de caracóis sobrepostos, que as damas romanas mandavam armar sobre uma rede de fio ou de metal, e na parte anterior da cabeça uma mecha de cabelo enrosca-se em largo carrapito sobre a nuca descobrindo as orelhas. A moda deste penteado foi criada por Júlia filha de Tito e esposa de Domiciano, no período flaviano, tratando-se talvez mesmo de um retrato da própria imperatriz. Esta escultura terá feito parte de um busto ou mesmo de uma estátua hoje desaparecida. Proveniente da villa romana de Milreu, este retrato espelha da melhor forma a riqueza, importância e a plena actualidade e inserção socio-política das elites municipais da Lusitânia meridional em finais do século I – inícios do século II d.C., adoptando posturas e modas estereotipadas de evidente prestígio pela sua conotação com a casa imperial”. Homenageando Jorge de Sena, a Junta da Freguesia de Estói inaugurou, em 25 de abril de 2010, um painel de azulejos na Rua da Barroca com a reprodução do poema, tendo ao lado, em placa acrílica, a versão em língua inglesa, com a foto e dados biográficos do autor.

 

Jorge de Sena no Tejo

Jorge de Sena dá nome a uma das novas embarcações que cruzam o Tejo. Apesar de excluído da Marinha, é como se continuasse a navegar -- agora sobre as águas que bem conheceu como engenheiro, ao integrar, a partir de 1953, o Serviço de Pontes da JAE e sua Comissão para o Estudo das Ligações Rodoviárias e Ferroviárias entre Lisboa e a Margem Sul do Tejo.
Jorge de Sena dá nome a uma das novas embarcações que cruzam o Tejo. Apesar de excluído da Marinha, é como se continuasse a navegar — agora sobre as águas que bem conheceu como engenheiro, ao integrar, a partir de 1953, o Serviço de Pontes da JAE e sua Comissão para o Estudo das Ligações Rodoviárias e Ferroviárias entre Lisboa e a Margem Sul do Tejo.

Sinais de Jorge de Sena e outros escritores portugueses contemporâneos

001
1998 foi um ano marcado pelas celebrações em torno do vigésimo aniversário da morte de Jorge de Sena. Entre os eventos realizados pela comunidade acadêmica brasileira, merece especial destaque a exposição “Sinais de Jorge de Sena e outros escritores portugueses contemporâneos”, realizada no campus de Araraquara da UNESP entre 31 de agosto e 4 de setembro. Elaborada em parceria com dois eventos, um na própria UNESP (Congresso Internacional “Sinais de Jorge de Sena”, de 30/08 a 02/09) e outro no Rio de Janeiro, produzido pelo Real Gabinete Português de Leitura e a UFRJ (Colóquio Internacional “Jorge de Sena e outros escritores portugueses num Brasil recente”, de 25 a 27 de agosto), a exposição apresentou diversos painéis com a vida e a obra de Jorge de Sena e seus contemporâneos. Reproduzimos aqui os painéis diretamente ligados a Jorge de Sena, ressaltando que todos esses, bem como os demais painéis que compunham a exposição, encontram-se disponíveis em http://www.fclar.unesp.br/centrosdeestudos/jorgesena/paineis.htm, página do Centro de Estudos Jorge de Sena, da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP e ainda, parcialmente, em http://www.iel.unicamp.br/cedae/Exposicoes/Expo_JSena/index.html .