1965-1978: Estados Unidos

Raquel Menezes e Gilda Santos
Cron.3.jpg
Residência de Jorge de Sena em Santa Barbara, Califórnia

1965 A 6 de outubro, parte de S. Paulo e chega a New York no dia seguinte, rumo à University of Wisconsin, Madison, como Visiting Professor, iniciando assim seu segundo exílio. Publica Teixeira de Pascoaes – Poesia (Col. “Nossos Clássicos, da Ed. Agir, Rio de Janeiro).

1966 Sai Uma Canção de Camões. São-lhe diagnosticadas “pedras visiculares”. É eleito membro da Hispanic Society of America, da Modern Language Association of America e da Rennaissance Society of America. Em agosto, sai Novas Andanças do Demônio (com O Físico Prodigioso). De 7 a 13 de setembro, participa do VI Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, em Harvard. O tempo e o modo de setembro publica o conto “Homenagem ao papagaio verde”. A 15 de novembro, conferência sobre literatura brasileira e hispano-americana, na Pennsylvania State University. Primeiras traduções de poemas seus para o inglês, por Jean R. Longland – Selections from Contemporary Portuguese Poetry.

1967 A 21 de março, conferência “Realism and Naturalism in Portugal and Brazil: with reference to French and other western literatures”. A 27 de maio, morre sua mãe. Ainda em maio, muda de casa, dentro de Madison. É impedido pelo governo português de continuar o pagamento de sua casa no Restelo. É nomeado Full Professor with Tenure de Literatura Portuguesa e Brasileira do Departamento de Espanhol e Português da Universidade do Wisconsin. Pede demissão da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara. Em julho, sai o 1°vol. de Estudos de História e de Cultura – 1ª série.

1968 Em abril, O Tempo e o Modo dedica-lhe número especial, onde publica uma breve autobiografia e fragmentos de Sinais de Fogo sobre a “aparição da poesia”. Sai Arte de Música. A partir de 6 de setembro, graças a uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian e à licença de um semestre da Universidade do Wisconsin, regressa pela primeira vez à Europa. Viaja (investigando, fazendo contatos e conferências) extensamente: Inglaterra, Escócia, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Suécia, Alemanha, França, Áustria, Suíça, Itália, Espanha e Portugal, aonde chega às vésperas do Natal. A 4 e 5 de dezembro, ministra um curso na University of London. Em 22 de dezembro é detido pela PIDE, durante 24 horas, na fronteira espanhola, em Valencia de Alcantara. Após conversações telefônicas, nomeadamente de José Blanc de Portugal com o Chefe do Governo, Marcelo Caetano, é-lhe concedido visto de entrada. A Censura autoriza o relato do sucedido como um “equívoco de fronteira”. Muitos reencontros e entrevistas até seu regresso aos USA.

1969 A 19 de janeiro, é operado à vesícula, em Lisboa. Publica Os Sonetos de Camões e o Soneto Quinhentista Peninsular. A 12 de fevereiro, conferência sobre Almada Negreiros, na presença do poeta, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, em Lisboa. A 14 de fevereiro, regressa aos Estados Unidos. Graças à intervenção de amigos, como António Alçada Baptista e Eduardo Lourenço, é-lhe restituída a posse de sua casa no Restelo. Em setembro, sai Peregrinatio ad Loca Infecta, nono livro de poemas. Em setembro e outubro, saem seus prefácios às edições portuguesas dos Manisfestos do Surrealismo, de André Breton e dos Cantos de Maldoror, de Lautréamont. Em outubro e dezembro, participa nos encontros do MLA em St. Louis e Denver.

1970 Simpatiza com a agitação política estudantil contra a guerra do Vietnã, na Universidade do Wisconsin. Em agosto, muda para a University of California, Santa Barbara (UCSB). Em novembro, participa no congresso anual da Pacific Coast Council for Latin American Studies, em Santa Bárbara. Publica A Estrutura de Os Lusíadas e Outros Estudos Camonianos e de Poesia Peninsular do Século XVI. Conferências na University of Illinois, Cincinnati, e na Tulane Univesity. Publica 90 e mais quatro poemas de Constantino Cavafy. O poeta Carlo Vittorio Cattaneo apresenta na Universidade de Roma a primeira tese universitária sobre a sua obra.

1971 Escreve a peça em 1 ato Epimeteu, ou o Homem que Pensava Depois. A 14 de maio, conferência “Antero revisited”, por ocasião das comemorações do centenário da “Geração de 70” na University of Califórnia, Los Angeles (UCLA). A 9 de junho, chega a Londres para nova viagem à Europa e Portugal. A 29 de julho. participa do I Colóquio Internacional sobre o Romanceiro, na Universidade Complutense de Madrid. Chega a Lisboa em 31 de julho. Em 2 e 3 de setembro, participa, em Salamanca, do Congresso da Associação Internacional de Hispanistas. A 21 de setembro, regressa a Santa Barbara, via Londres. Em dezembro sai Poesia de 26 séculos – I (de Arquíloco a Calderón).

1972 Passa a dirigir o Programa de Literatura Comparada da UCSB. A 4 de março, chega à Europa, via Paris, para viagem largamente motivada pelo IV Centenário d’Os Lusíadas. A 9 de março, conferência sobre Camões no Centro Cultural Português da Fundação Gulbenkian, em Paris; a 16 no King’s College (Londres); a 17, na Universidade de Bruxelas. A 15 de março, lê uma crônica na BBC, em Londres, sobre os seiscentos anos da Aliança Inglesa. A 30 de março, regressa a Santa Barbara. De abril a junho, conferências em várias universidades americanas. Em maio, sai Exorcismos, décimo livro de poesia. A 28 de junho, chega a Atenas, dando início ao terceiro périplo camoniano do ano. Em julho e agosto, visita espaços africanos: escreve in loco o poema “Camões na Ilha de Moçambique”; faz palestra na Universidade de Lourenço Marques a convite da Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra; revê Luanda. Ainda em julho, sai Poesia de 26 séculos – II (de Bashô a Nietzsche). Em meados de setembro regressa a Santa Barbara, depois de passar por Lisboa e Paris. Em dezembro, sai a antologia Trinta anos de poesia. Saem as edições comemorativas de Os Lusíadas e das Rimas Várias de Luis de Camões comentadas por Manuel Faria e Sousa, com prefácios de Jorge de Sena.

1973 A 8 de janeiro, chega a Lisboa para nova viagem pela Europa (conferências em Madrid, Paris e Londres). A 6 de março, conferência “Literature and Society”, durante a convenção da Universidade do País de Gales. A 31 de março, regressa a Santa Barbara, via Lisboa. A 9 de junho, palestra na Semana Portuguesa de San Jose, California. Entre 26 de julho e 3 de setembro, viaja por Portugal e Espanha. Em dezembro, sai Camões dirige-se aos seus contemporâneos e outros textos e Dialécticas da Literatura. Participa da convenção anual do MLA.

1974 Em janeiro, sai Conheço o sal… e outros poemas. Em maio saem Amparo de Mãe e mais 5 peças em 1 Acto; Maquiavel e outros estudos. Em junho, Francisco de la Torre e D. João de Almeida. A 24 de julho chega a Lisboa, experimentando um Portugal finalmente em liberdade. Entre 6 de agosto e 20 de setembro, viaja por Espanha e França, participando do V Congresso da Associação Internacional de Hispanistas, em Bordeaux (2 a 8 de setembro). Em dezembro, saem os Poemas Ingleses de Fernando Pessoa (com traduções também por Adolfo Casais Monteiro e José Blanc de Portugal).

1975 No trimestre de inverno, ensina Literatura Portuguesa também na UCLA, em virtude do falecimento do professor Machado da Rosa. Em abril, faz o discurso de abertura da IV Convenção Anual das Comunidades Portuguesas, em Sacramento, California. Em julho, na UCSB, passa a dirigir o Departamento de Espanhol e Português e o Programa Interdepartamental de Literatura Comparada. A 8 dezembro, em San Jose, California, palestra comemorativa pelo “1° de dezembro”. A 20 de dezembro, mensagem à comunidade portuguesa nos EUA, transmitida pela rádio.

1976 A 6 de fevereiro, participa do Colloquium on the International Repercussions of the Portuguese Revolution, na California State University de Long Beach. A 25 de março, sofre um ataque cardíaco, sendo-lhe implantado um pace-maker. Em abril, envia comunicação ao Congresso da Associação Internacional dos Críticos Literários, em Lisboa, a que não pode comparecer. Em maio, vem à luz Os Grão-Capitães. Em setembro, viaja a Portugal e Itália, proferindo uma conferência na Universidade de Roma sobre a poesia do século XX. Entre 27 e 29 de dezembro, fala em Nova York, num simpósio sobre Garcilaso de la Vega, durante a convenção anual do MLA.

1977 A 25 de janeiro, morre seu sogro, Armando Leça. A 25 de abril, recebe o Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina, na Sicília. A 3 de junho, conferência sobre Camões na Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris. A 7 de junho, participa nas comemorações do cinquentenário da revista presença, em Coimbra. A 10 de junho, discursa na Guarda, no “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”. Em junho, saem O Físico Prodigioso (1ª edição isolada) e Sobre esta praia… Oito Meditações à beira do Pacífico, o seu “testamento poético”. Em agosto, publica Dialécticas Teóricas da Literatura. A 13 de setembro, conferência sobre Alexandre Herculano, no centenário da sua morte, no Consulado de Portugal, em San Francisco. Em 7 e 8 de outubro, participa do Simpósio Internacional sobre Fernando Pessoa, na Brown University. Ainda em outubro: sai Régio, Casais, a presença e Outros Afins; participa no VI Congresso da Associação Internacional de Hispanistas, em Toronto e na Conferência Inter-americana, em Albuquerque, Novo México. Em novembro, reedita Poesia-I.

1978 A 19 de março, escreve o último poema: “Aviso a cardíacos e outras pessoas atacadas de semelhantes males”. Em março, publica Dialécticas Aplicadas da Literatura. Em abril, envia comunicação ao I Congresso Internacional de Estudos Pessoanos, no Porto, impedido de comparecer por razões de saúde. A 4 de maio, já muito doente, grava, em vídeo na UCSB, Jorge de Sena reads his poetry¸ entrevista a Frederick G. Willians, seguida de leitura de poemas. A 13 de maio, discursa na cerimônia de despedida de Robert Wilson da UCSB. Em maio, saem Poesia-II, Poesia-III e O Reino da Estupidez-II. A 1 de junho, envia a comunicação de abertura ao I Simpósio sobre as Tradições Portuguesas, na UCLA, a que não comparece por motivo de saúde. Sai Antigas e Novas Andanças do Demônio. A 4 de junho morre vítima de câncer em Santa Barbara, onde fica sepultado, em campa-rasa, no Calvary Cemetery. Aparece, em julho, Poesia do Século XX (de Thomas Hardy a C.V. Cattaneo). É condecorado, postumamente, com a Ordem de Santiago da Espada – concessão que lhe fora anunciada telefonicamente pelo Presidente da República, Ramalho Eanes, na ante-véspera de sua morte.

 

                                                                     * * * * * * * * * * * * *

 

1980 Graças à colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, é inaugurado o Jorge de Sena Center for Portuguese Studies, na University of California, Santa Barbara.

1983 Em setembro, em Araraquara, inauguração do Centro de Estudos Portugueses Jorge de Sena da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

1999 Em novembro, no Departamento de Letras Vernáculas da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) foi inaugurada a Cátedra Jorge de Sena para Estudos Literários Afro-Luso-Brasileiros, com substancial apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. Ver http://catedrajorgedesena.letras.ufrj.br/

2009 A 11 de setembro, dá-se a trasladação de seus restos mortais para o Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, depois de solene homenagem na Basílica da Estrela, à qual compareceram várias autoridades e nomes destacados do cenário cultural português.

2010 A 2 de novembro, lançamento online do site Ler Jorge de Sena.

2010 Instituído pelo CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Universidade de Lisboa), com o patrocínio de mecenas anónimo, o Prêmio Jorge de Sena, assim atribuído:

2010 – Vitor Manuel Aguiar e Silva

2011 – Jorge Vaz de Carvalho

2012 – Jorge Fazenda Lourenço

2013 – Gilda Santos/Ler Jorge de Sena

 

 

 

 

Dados cronológicos ordenados a partir de:
Jorge Fazenda Lourenço, Cronologia de Jorge de Sena, in:—, ed. Jorge de Sena – Antologia Poética. Lisboa, Guimarães, 2010. p. 308-321.

Jorge Fazenda Lourenço & Mécia de Sena, org. Jorge de Sena – a voz e as imagens. Lisboa, IEP/UNL, 2000. (fotobiografia)

Mécia de Sena & Isabel M. de Sena, Jorge de Sena: bio-bibliografia, in: Quaderni Portoghesi 13-14. Pisa, Giardini, 1977 p. 13-22.