Índices da Poesia de Jorge de Sena – 11: Conheço o Sal… e outros poemas, 1974

sal.jpg

Continuando a série de Índices da Poesia de Jorge de Sena, apresentamos os títulos, primeiros versos e datas de composição dos poemas de Conheço o Sal… e outros poemas, publicado em 1974 e, desde 1978, incluído no volume Poesia III. Os títulos assinalados em azul contêm links para os poemas já publicados nas antologias do site.

 

Título —– “Primeiro Verso” —– Data

Post-mortem – “Dos braços que não pousam sobre os ombros” – 30/01/1972
Narciso – “De n’água contemplar-se onde se vê Narciso” – 9/7/1970
“Da luz que se esvazia…” – “Da luz que se esvazia coisas vultos” – 2/8/1970
“Si Jeunesse Savait…” – “De um outro lar ou pátria ou céu ou nada” – 2/6/1971
Nocturno de Londres – “Não sei, amor, se dado nos será” – 11/6/71
“Intriga-me o teu corpo…” – “Intriga-me o teu corpo. Harmonioso” – 5/1/1972
“Essas pernas que marcham…” – “Essas pernas que marcham e se juntam” – 13/4/1972
Lendo uma referência à morte de Manuel de Castro, no “Diário” de Palma-Ferreira – “Por acaso descubro que este jovem poeta” – 17/6/1972
Ao Carlo Vittorio Cattaneo – “Poeta – invejo a tua juventude” – 24/6/1972
Aves na Baía de Luanda – “Cegonhas? São marinhas e se pousam” – 4/8/1972
Café cheio de militares em Luanda – “O jovem Don Juan de braço ao peito” – 4/8/1972
Foi há cem anos em Angola – “MInha avó subia de tipóia” – 5/8/1972
Senhora da Nazaré em Luanda – “Em 1664, o governador destes reinos” – 5/8/1972
Na Igreja dos Jesuítas em Luanda – “Conversa a negra no recanto em sombra” – 24/8/1972
Raízes – “Raízes? Nem mesmo todas as plantas têm” – 25/8/1972
À Memória de Adolfo Casais Monteiro – “Como se morre, Adolfo? Tu morreste” – 26/8/1972
Diálogo Místico – “S. João da Cruz a Santa Teresa” – 29/8/1972
Garcilaso em Toledo – “Doña Amelia Rodríguez em Toledo” – 3/9/1972
“Amor, saudades tenho…” – “Amor, saudades tenho desta vida” – 3/9/1972
Nocturno – “Na sombra em que se agitam da alameda” – 22/9/1972
Madrugada – “Há que deixar no mundo as ervas e a tristeza” – 4/9/1972
Crítica dos “topoi” – “Vozes que pousam, passam, se modulam” – 27/9/1972
Endechas – “Mudar que mude” – 4/10/1972
Filmes Pornográficos – “Estes que não actores se alugam para filmes” – 13/10/1972
Atenas – “Também na Grécia eu. Custou mas foi.” – 9/10/1972
O Dáimon – “Mandelstamm, Akhmatova e Rilke” – 7/11/1972
“Despir alguém…” – “Despir alguém peça por peça? Não.” – 8/11/1972
Mãos de Amor – “Que mãos de amor me queiram quero mais as minhas” – 2-5/12/1972
“Diz-me, silêncio…” – “Diz-me, silêncio, em ruídos permanentes” – 6/12/1972
“Deste sono mortal…” – “Deste sono mortal que me dilui a vida” – 8/12/1972
Memória de Granada – “Pairam repuxos gorgolejam estuques” – 8/12/1972
S’Hertogenbosch – “Cidade albina a catedral dourados” – 8/12/1972
Antuérpia – “Na catedral o Cristo faleceu atlético” – 9/12/1972
Anderlecht – “Nesta casa de um cónego hóspede peregrino” – 9/12/1972
Madrigal de Las Altas Torres – “Cresceu aqui católica Isabel” – 12/12/1972
“Quando penso…” – “Quando penso que há mais de trinta anos que publico poemas” – 24/12/1972
Do Maneirismo ao Barroco – “Faustus infaustus Don Quixote Pança” – 30/12/1972
“Estão podres as palavras…” – “Estão podres as palavras – de passarem” – 30/12/1972
Lira – “Que vida não me queixo deste mundo” – 16/1/1973
O Hermafrodito do Museu do Prado – “Do deus que as almas aos infernos leva” – 18/1/1973
A Dionísio Ridruejo – “Poetas disseram: escrever nas águas” – 23/1/1973
“Quando o poeta…” – “Quando o poeta se dizia perdido no meio do caminho” – 5/2/1973
Certos ratos do Ártico – “De dois em dois anos estes ratos do Ártico” – 15/3/1973
De Glasgow a Londres – “Britânicos carneiros se passeiam plácidos” – 23/2/1973
Terras de Escócia – “Estas gaivotas que da Escócia em terra” – 1/3/1973
Meditação linguística com Maria Stuart – “Passo o palácio de Holyrood e a roca” – 1/3/1973
Crepúsculo ao Sul de York – “Azul pardo e laranja tão de quietas nuvens” – 1/3/1973
No comboio de Edimburgo a Londres – “Que coisas se fariam – tão de seios” – 1/3/1973
Gregynog Hall – “Do parque por colinas a verdura desce” – 5/3/1973
“Tu és a terra…” – “Tu és a terra em que pouso.” – 15/3/1973
“Clareia o céu de chuva…” – “Clareia o céu de chuva, que anoitece” – 16/1/1973
“Conheço o Sal…” – “Conheço o sal da tua pele seca” – 16/1/1973