Índices da Poesia de Jorge de Sena – 4: As Evidências, 1955

evi_capa.jpeg

 

À época de seu lançamento, o ciclo de sonetos – ou grande poema em 21 partes – que compõe As Evidências foi chamado pela censura portuguesa de subversivo, pornográfico etc. Quarto livro de poesia publicado por Jorge de Sena, em 1955, o volume tem aqui seus poemas apresentados conforme a ordem que figura na publicação, com a listagem de primeiros versos e datas de composição.

 

 Título – “Primeiro Verso” – Data de escritura

 I – “Ao desconcerto humanamente aberto” – 12/2/1954
II – “Desta vergonha de existir ouvindo” – 12/2/1954
III – “Que coisas sois? – se sois como que gente” – 13/2/1954
IV – “Da solidão que o vosso mal povoa” – 15/4/1954
V – “Na antiga e fácil pátria da amargura” – 20/2/1954
VI – “Ambígua identidade, incauto amor” – 21/2/1954
VII – “Atentos sobre a terra ao que sem nós” – 22/2/1954
VIII – “Amo-te muito, meu amor, e tanto” – 22/2/1954
IX – “Com a mão brincando sem virtude ou vício” – 26/2/1954
X – “Rígidos seios de redondas, brancas” – 27/2/1954
XI – “Marinha pousa a névoa iluminada” – 1/3/1954
XII – “Uma outra vida espera em vosso peito” – 6/3/1954
XIII – “Quando me encontro sempre sem poesia” – 9/3/1954
XIV – “Nenhuma voz me atinge por destino” – 9/3/1954
XV – “Manhã de glória! – ó deuses, ó imagens” – 9/3/1954
XVI – “Livres de ser o que os acasos tecem” – 15/3/1954
XVII – “Na noite funda em que das nuvens corre” – 25/3/1954
XVIII – “Deixai que a vida sobre vós repouse” – 26/3/1954
XIX – “Perdidas uma a uma as coisas todas” – 16/4/1954
XX – “Erguem-se as tríades: são mais que deuses” – 28/4/1954
XXI – “Cendrada luz enegrecendo o dia” – 16/4/1954