Índices da Poesia de Jorge de Sena – 2: Coroa da Terra, 1946

coroa_da_terra.jpg

 

Continuando a série dos Índices da Poesia de Jorge de Sena, apresentamos os poemas de Coroa da Terra, publicado em 1946 e, desde 1961, incluído no volume Poesia I. Escrito quase inteiramente durante os anos vividos por Jorge de Sena como estudante universitário no Porto, o conjunto vem aqui listado em sua ordem de publicação, com título, primeiro verso e data de cada poema. Em azul, links para os textos já editados no site.

 

Título —– “Primeiro Verso” —– Data de escritura

Purgatório –—– “As dores do mundo não as sofre o mundo”–—– 24/9/43
Suma Teológica – “Não vim de longe, meu amor, nem sossobraram” –—– 14/4/44
Os Trabalhos e os Dias – “Sento-me à mesa como se a mesa fosse o mundo inteiro” – 27/10/42
Espiral –—– “Um só poema basta para atingir a terra” -–—– 21/3/42
Um Epílogo –—— “Quando estes poemas parecerem velhos” –————————- 5/6/42
Baptismo –——— “Os mais difíceis poemas onde falo de amor” ———————– 24/6/42
Exame –—— “Estendo as mãos” –———————————————— 11/2/42
Denúncia –————- “Sonharei, no teu seio calmo,” ————————————– 10/6/42
Pintura –———— “Um casal suspenso desta mão que se estende” –—————– 24/5/42
Conquista –——– “Tomei-me igual à morte sem descansar por ela” –————————– 20/5/42
Lamentação –———- “Erguem-se as nuvens e derivam logo” –——————————– 13/12/42
Núpcias –—————————— “Persegui-te” –—————————————————– 15/3/42
Cidade –———————- “Imensa, troglodita, ambiciosa” –————————————— 28/4/42
Esgoto –————— “Crianças pálidas brincam no esterco da rua” –————————— 25/5/42
Longitude –———————– “Entre os pinheirais” –——————————————– 12,13/6/42
“Tenção” do Amor Nocturno – “Hei-de vir, meu amor, depois de morto” –—————— 21,22/3/44
Dia de Sol –————- “Sob a teia de sombra dos galhos outonais” –————————— 20/2/44
Capilaridade –———- “Da minha fé no mundo sei o amor distante” –————————– 1/12/42
Exorcismo –————– “Amor que desce, amor que nem procura” –—————————-21/7/43
A Derradeira Visita –—- “Por toda a liberdade autêntica sumida” –—————————— 24/1/44
Estupro – —————“Da passagem da aurora vem uma noite dizendo” –——————- 28/12/42
Crisma –——————— “Apenas vingança este desejo de morte” –—————————- 21/6/42
Metamorfose –——- “Para a minha alma eu queria uma torre como esta” –—————— 25/10/42
Reconhecimento –– “Quero esperar e olhar para que nasça um destino” –——————– 7/10/42
Gesto –———————– “Nem a terra paralela ao meu cadáver” –—————————— 21/1/42
Contacto –———————- “Abriste à vida a catarata idêntica” –——————————– 10/10/41
Bulício –———— “Quarenta dias suspensos para concentração dos vermes” –————– 2/11/41
Travessia –————— “Distância materna prescrevendo enganos!” –————————– 16/3/42
Ocaso –—————– “É impossível que uma semelhança tão pura” –————————– 21/2/42
Ode a um Reformador do Mundo – “Outros, que não tu, puseram nos teus braços” –——– 8/2/42
Catecismo –——— “Oh Deus! Que um dia adormeceste nos meus braços” –—————— 7/4/42
O Amor não Amado –—- “Nem sei porque ainda falo em Deus” –——————————– 19/6/42
Enciclopédia –—————- “Criaremos uma pequena história” –———————————- 12/3/42
Descerrar –————————- “Cansado, consentir-me-ei” –————————————– 21/6/42
Apóstrofe à Loucura –—- “Ser-me-á negada a paz ameaçadora?” –—————————– 22/4/44
Causalidade –—————– “Repetir-se-á a angústia vezes mais” –—————————— 12/5/42
Panfleto –————– “Fere-me esta idolatria mais do que todos os crimes” –——————- 9/4/42
Ordenações –————- “Abram os olhos como para um crime perpétuo!” –——————- 26/3/42
Independência –————– “Recuso-me a aceitar o que me derem.” –————————– 30/6/42
Ideário para a Criação –—- “Quando, em ti próprio, ouvires algum combate” –————— 29/8/42
De onde não há Nada… – “De dentro da morte vem ao meu encontro uma voz” –——— 31/10/42
Zodíaco –————————- “Os deuses nascem quando a vida estreita” –——————- 29/5/42
Estalactite –——————– “Virá da glória um tempo e nele o dar as mãos” –—————- 24/1/43
Génesis –—————————- I: “Afirmo e esqueço a qual serenidade” –———————- 2/2/43
II: “Nenhum altar te resta que o não sejas” –—————— 18/2/43
III: “Quando, mais novo, noutro renasceres” –—————- 26/2/43
IV: “Assassinais, ó anjos, vosso amor;” –———————- 10/3/43
V: “Temor o tens de ti, meu Deus, eu não.” –—————– 17/3/43
VI: “De mim não falo mais: não quero nada.” –————— 14/5/44
Cantiga de Embalar –———— “Tão docemente se ouve um grito de criança” –———— 21/11/44
Soneto de Orfeu –——————- “Quando apenas fores música da vida” –——————– 15/7/44
Dólmen –—————————- “Como alegria espontânea aberta ao sonho” –————— 17/8/42
Êxodo –————————– “Viemos, como o primeiro homem, de um ventre” –————- 20/5/43
Natal-43 –—————————— “Nos aviões que o mar imenso cruzam” –—————– 27/12/43
Glória –————————- “Um dia se verá que o mundo não viveu um drama.” –———— 6/4/42
Cessação –—————————— “Quando a morte vier, ou procurada” –——————— 13/4/44
Humanidade –—————————- “Na tarde calma e fria que circula” –———————– 7/11/43