Índices da Poesia de Jorge de Sena – 1: Perseguição, 1942

perseguicaoPrimeiro livro de poemas de Jorge de Sena, desde 1961 incluído em Poesia-I, Perseguição dá início a uma nova série de entradas no Ler Jorge de Sena: uma versão para o site dos Índices da Poesia de Jorge de Sena, organizado por Mécia de Sena (Lisboa, Cotovia, 1990). Os poemas assinalados com links em azul já estão disponíveis no site, seja em uma das antologias temáticas, seja nos textos críticos das seções de estudos.

 

Título —– “Primeiro verso” —– Data

Pré-história — “Sempre que ofereço a alguém o alimento imponderável” – 9/2/42

 

I
Arrecadação —————— “Relógio combalido…” ———————– 28/7/40
Deserto —————— “Recusarei aos velhos a braseira” ————– 2/1/41
Distância – “Aqueles para quem não resta sempre uma simplicidade a trair” – 29/9/41
Circunstancial —- “Nas dobras melancólicas da Terra” —————– 3/7/40
Nocturnos —– “Há um inverno cansado nas copas extáticas” ——– 20/2/41
Elegia ———————– “Estreito Nome e curto” ————————- 8 /3/41
Trecho de Infinito ——– “Desloca-se tão leve” —————————- 9/7/40
Vidros ———————– “Alinharam calmos” —————————— 9/6/39
Passeio ———- “Que tarde e gente as ruas do jardim” —————– 7/7/41
Poço ——————- “O poço da noite é inesgotável” ——————– 13/11/39
Cubículo —————— “Gente pára curiosa” —————————— 5/6/41
A Matilha ————– “As mãos perderam a força” ———————— 6,7/11/39
Valor ——————- “Tira de mim os anjos que souberes” ———– 15,16/11/40
Contrição ——— “Que importa que todos me esqueçam” ————- 23/3/41
Parcela ————- “O destino valia-se dos meus lábios” ————— 6/8/39
Manchas ———————— “Há no céu” ———————————- 7/12/38
Recortes ————- “Os meus recortes fugindo para o Sul!” ———- 25/8/39
Lepra ——————— “A poesia tão igual a uma lepra!” ——————— 3/7/39
O último dia ————- “Crianças riem na varanda, riem” ——————– 1/10/39
Despertador —– “Um dia acordarás do sonho em que te rodeaste” —— 16/8/41
Lâmina ———— “Não tentes resistir à queda das trombetas” ————– 6/6/41
Exercício ———- “Por que te andaste mais do que é Costume” ———– 11/3/40
Itinerário ———————- “Seguia-se as pedras” —————————— 11/5/41
Manifesto ——— “Desçamo-nos da morte ao vão progresso” ————– 7/12/41
Sem Data ————- “Esta voz com que gritei às vezes” ——————— 27/1/42

 

II
Infância ———— “Noite de infância, luminosa e pálida” ——————— 1/10/40
Cântico —- “MInha meditação calada e permitida quantas vezes(…)” —- 3/10/40
Comunhão —- “Violentamente um gesto, violentamente” —————– 18,19/10/40
Posse – “Passaram pelos meus ombros longínquos as gaivotas negras”- 16/11/40
Âmago ———— “Perpétua a juventude, se morrermos” ——————- 12,13/10/41
Silêncio —————– “Tu, espírito de veios negros” —————————- 8/5/41
Tomada ———– “Gládio morto: nem quisera ouvir” —————————- 22/12/41
Andante ——- “Soube-me sempre a destino a minha vida” ——————- 18/1/42
Seara —————- “E se ouço reformar a minha vida” ————————- 8/9/41
Felicidade –“A felicidade sentava-se todos os dias no peitoril da janela” – 13/4/41
Desdém —————- “Pura flor de orvalho” ———————————— 10,11/10/41

 

III
Mistério da Predestinação – “Entornando a vida sobre a morte inicial” —— 8/8/40
Náutica ——- “Já por amor de Deus era o navio alto” ————————— 6/8/41
Procissão ———– “Aproxima-se cantando em mim” ————————— 28/1/41
Sonetos a muitas Vozes — “Por quantos campos tenho na tristeza” ——— 2/6/40
Advertência ————- “Ah meu Deus! Se toda esta tristeza” —————- 30/7/40
Declaração ————- “Sinto que vou voltar-me para Ti” ———————- 16/9/39
Unidade —————– “Meu Deus… Como posso eu falar-Te” —————– 5/5/40
Purificação da Unidade — “Não procures o que é efémero…;” —————- 20/8/40
Caverna —— “Tanta coragem, meu Deus, em perguntar por dúvida” ——- 19/6/41
Elevação ————– “Eixo da verdade e presunção divina” ——————- 22/10/41
Transepto —————– “Volteei lugubremente pela nave” ——————— 14/9/39
Pentecostes ——————— “Estranha fidelidade!” —————————— 22/2/41
Ascensão —————– “Nunca estive tão perto da verdade” —————— 23/7/41
Eternidade —————————- “Vens a mim” ———————————— 22/9/41