Bajazeto e a Revolução

materimperialis.jpg

A 11 de março de 1959, Jorge de Sena assistiu em Lisboa à peça Bajazet, de Racine, representada no Liceu Francês Charles Lepierre, e sobre ela escreveu uma crítica publicada em abril na Gazeta Musical e de Todas as Artes (reproduzida em Do Teatro em Portugal, Lisboa, Ed. 70, 1989). Mas, segundo depoimento de Mécia de Sena, ir ao teatro nessa noite significava ver e ser visto, e ter um álibi em relação ao "Golpe da Sé", cuja eclosão estava marcada para essa madrugada. Do fragmento — simples aide-mémoire telegráfico — encontrado no espólio, o título e palavras como "Sé", "Quartel do Carmo" etc. fazem-nos suspeitar de uma projetada peça (ou talvez um conto, como sugere Eugénia Vasques) em que as vivências do autor mais uma vez seriam testemunhadas.

 


 

Quoique le sujet de cette tragédie ne soit encore dans aucune histoire imprimée, il est pourtant très véritable. (…) Quelques lecteurs pourront s’étonner qu’on ait osé mettre sur la scène une histoire si récente (…). On peut dire que le respect que l’on a pour les héros augmente à mesure qu’ils s’éloigent de nous.

Racine – prefácios de Bajazet

 


                                                    

                                                    BAJAZET

 

Racine – viagem para o apartamento


conversa no apartamento  enquanto a conversa se desenrola
                                           ele recorda:
                                           reuniões, etc. compromisso, etc.

                                           narração paralela (dado como a
                                                                        correspondência
                                                                        horária dos cál-
                                                                        culos que eles
                                                                        estão fazendo)
                                          Jantar do A.
                                          Sé
                                          Ataq. de Alcântara
                                                                       – caso de Belém
                                          Quartel do Carmo

                                          manhã no serviço, viagem de
                                          automóvel para casa


O cartaz dizia:
                       Grande Circo Imperial Luso
                                    Leões, Navegações, Naufrágios e Con-
                                    quistas. Mártires e Heróis, todos os dias.
                                    A descoberta do caminho marítimo para
                                    a Índia, com o Infante D. Henrique e
                                    Camões nas caravelas, ao domingo. São
                                    Francisco Xavier, às quintas. Aljubar-
                                    rota, à sexta, em matinée infantil. Palha-
                                    ços, equilibristas, domadores, trapezistas.
                                    Voos à Gago Coutinho. O grande
                                    sketch, ao sábado, por toda a compa-
                                    nhia: Oito Séculos e meio de História
                                    Universal, com grande figuração de
                                    negros, mouros, e indianos autênticos.
                                    Nu artístico por indígenas do Brasil (em
                                    sessão reservada aos homens e a mulhe-
                                    res casadas acompanhadas pelos mari-
                                    dos). Orquestra sinfónica, coros e baila-
                                    rinas(os) do Estado Português, sob a
                                    regência de vários maestros de categoria
                                    internacional. Hinos patrióticos e fun-
                                    ções folclóricas. Uma Pátria em Armas
                                    exposta aos olhos do Futuro.